INVESTIGANDO A ECOLOGIA DE ARANHAS EM UMA FLORESTA POR MEIO DA APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS DE PESQUISA

INVESTIGANDO A ECOLOGIA DE ARANHAS EM UMA FLORESTA POR MEIO DA APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS DE PESQUISA

ENIC201920042

ENIC - Encontro de Iniciação Científica

JULIO CESAR VOLTOLINI, DANIEL FELIX SANTANA , SIMONE GUIMARÃES BRAZ

INVESTIGANDO A ECOLOGIA DE ARANHAS EM UMA FLORESTA POR MEIO DA APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS DE PESQUISA

As aranhas são comumente encontradas em ambientes urbanos e ocorrem em grande quantidade em florestas localizadas nas cidades. O objetivo desse estudo foi, por meio abordagem de Aprendizagem Baseada em Projetos de Pesquisa, investigar a densidade de aranhas Megabolivar sp. em um fragmento florestal, localizado no Parque Natural Municipal do Vale do Itaim (Taubaté,SP). O fragmento possui uma trilha de 300 metros, utilizada por escolas para atividades de ensino. Alunos de Pedagogia, Licenciaturas em Química e Matemática, dos cursos semipresenciais da EAD Unitau, acompanhados por professores, percorreram a trilha observando animais, plantas e fatores que poderiam afetar a espécie pesquisada. Ao final da trilha os alunos apresentaram individualmente o que foi observado e ideias de projetos de pesquisa que poderiam ser realizados no local. o professor facilitador não interferiu nas observações dos alunos ao longo da trilha, mas depois orientou na discussão sobre as perguntas científicas de cada projeto e sobre os métodos de coleta de dados mais apropriados. Após escolhermos o projeto sobre aranhas Megabolivar sp. a cada 25 metros e até um metro de cada lado da trilha. Depois de coletados os dados, recebemos em outro encontro a instrução de análise dos dados utilizando ferramentas simples de matemática e estatística que podem ser também utilizadas com alunos de escolas de educação básica. Em outro encontro recebemos instrução sobre redação científica culminando na produção de um relatório científico. Como resultado da pesquisa em campo, encontramos 298 aranhas e observamos que no meio da trilha há um número bem maior de teias do que nas extremidades da trilha. Isso pode indicar que as aranhas preferem ambientes intermediários em termos de temperatura, umidade e luminosidade, pois no início da trilha o ambiente é mais seco, quente e com luz intensa e no final da trilha no meio da floresta exatamente o contrário. Observamos também que as teias das aranhas Magabolivar sp. ficam mais próximas ao solo ou em altura intermediária deste, pois não foram encontradas teias acima de 1,70 cm do chão. Com essa atividade identificamos a densidade das aranhas da citada espécie em um fragmento florestal urbano, aprendemos sobre como se faz um projeto de pesquisa na prática e que a Aprendizagem Baseada em futura ação docente. Assim, podemos aplicar os conhecimentos teóricos e os métodos aprendidos durante a nossa profissão como professores em escolas da educação básica.