Estudante de Agroecologia troca indústria pelo campo

A vida nas indústrias de São José dos Campos/SP parou de fazer sentido para Daniel Barreto. Depois de estudar as possibilidades de mercado, ele decidiu migrar para o campo e se tornar produtor agrícola. Já com a mão na massa, ele iniciou o curso de Agroecologia na EAD UNITAU para formalizar o conhecimento na área.

Mesmo formado em Engenharia, Daniel sempre se identificou com esse ramo. “Eu era de outra área, mas sempre tive afinidade com agricultura orgânica. Comecei a fazer uns testes e fui me envolvendo cada vez mais”, lembra o aluno. “Eu via isso, há alguns anos, como uma possibilidade de trabalho futura”.

Formação acadêmica

Quando a agricultura passou de hobby a trabalho, a necessidade da formação surgiu a partir das exigências do mercado. “Sou produtor agroecológico e assessor, mas eu não tinha formação acadêmica na área. Dependendo da oportunidade, isso é requisito”. Daniel, então, procurou a EAD UNITAU e logo sentiu diferença no trabalho. “O curso agrega muito, me ajuda a ter mais conhecimento na parte teórica”.

Mercado agrícola

Daniel começou a carreira de agricultor como produtor. Nessa época, ele e a companheira, Cinthya, trabalhavam na propriedade do casal. “Estávamos juntos em todos os processos da horta, desde a aquisição de mudas, plantio, colheita, venda”, comenta.

Enquanto produtores, eles venderam seus produtos orgânicos na Feira Agroecológica do Parque Vicentina Aranha, em São José dos Campos/SP, durante 3 anos. “Foi um período de muito aprendizado. A gente chamou a atenção de muita gente da região por causa do tipo de cultivo. De repente, surgiu demanda para sair dali e dar palestra, ensinar o que a gente aprendeu”.

Após o sucesso nas produções agrícolas, Daniel foi convidado a se tornar assessor de uma ONG em São Luiz do Paraitinga/SP, a Akarui. “Nesse trabalho, eu abordo a agroecologia em todos os aspectos. Desde a parte social, como também a parte de plantio, de integração”, explica. “Tem os atendimentos individuais, mas o foco é sempre o coletivo”, ressalta.

Aos 39 anos, Daniel sente que se encontrou na Agroecologia. “Eu faço por paixão, porque é uma coisa que eu escolhi para mim. Sempre busquei isso, fazer algo que me dá prazer e que me dê um sustento”, conta. “Eu me sinto realizado fazendo o que eu faço”.

Agroecologia na EAD UNITAU

Daniel explica que o termo Agroecologia já existe há muito tempo e o curso resgata a importância da produção sem agredir o meio ambiente. “Mostra que é possível lidar com o campo da maneira menos impactante possível”.

A modalidade a distância é o que possibilita Daniel continuar suas atividades profissionais e, ao mesmo tempo, adquirir o diploma para ampliar suas oportunidades no mercado de trabalho. “Eu consigo conciliar. Se fosse presencial, não ia conseguir fazer”, finaliza.

 

Marina Lima

Assessoria de Comunicação – EPTS/UNITAU