Da Engenharia à Sociologia: aluna busca lado humano das ciências exatas

Depois de terminar a graduação em Engenharia Química, Vânia de Oliveira seguiu um caminho pouco comum entre os estudantes de exatas. Além do mestrado na área, ela buscou as Ciências Humanas. Em 2015, começou o curso de Sociologia na EAD UNITAU, no polo de Taubaté.

Primeira graduação: Engenharia Química

Sempre curiosa, a estudante escolheu a primeira profissão, entre outras razões, pelo interesse em desvendar rótulos de produtos cotidianos. “Queria entender coisas tipo a pasta de dente, aqueles componentes com nomes esquisitos”, recorda. Por já ter feito SENAI, foi fácil seguir nessa área.

Formada, Vânia sentia que existia uma dificuldade dos engenheiros em levar o conhecimento à população. “Em química, a gente desenvolve muitas técnicas, por exemplo, para limpar um rio, mas isso não chega na rua”, explica. “A gente não vê a solução acontecendo, e eu achava que faltava alguma coisa, por que não funciona? O que falta? Então fui procurar algo que me desse material para entender isso”.

Mestrado e segunda graduação

Ao começar Sociologia, a aluna encontrou o que precisava. “O curso me ajudou bastante porque tem toda a parte pedagógica da licenciatura, mas também essa base teórica de entender as relações e organizações políticas”, pontua. Simultaneamente, Vânia era mestranda de Projetos Educacionais de Ciências e percebeu que os conteúdos estudados se encontravam. “Eu conseguia colocar, desde as salas de infantil até o superior, esses debates sociais dentro das aulas de exatas”.

Experiência internacional

Durante a graduação, ela teve a oportunidade de fazer um intercâmbio na Itália, a partir de um convênio entre a Universidade de Taubaté (UNITAU) e a Universidade de Parma. “Eu tinha aulas de sociologia com um professor que trabalhava dentro do departamento de comunicação”, conta. “Ele falava muito sobre como a mídia de lá trata temas ligados ao meio ambiente. Achei muito parecido com o Brasil, geralmente esse tema aparece quando acontece algum evento desastroso, não tem uma abordagem mais educativa na mídia”.

Curso e futuro profissional

Cursar a modalidade EAD possibilitou que Vânia concluísse seu mestrado e continuasse descobrindo sobre o lado humano e social das exatas. “Como eu estava nessa transição, o custo foi mais acessível e a eu pude usufruir de toda a estrutura física da UNITAU, como as bibliotecas dos departamentos”.

Atualmente, a futura socióloga dá aulas e faz oficinas de educação ambiental. “Eu quero falar sobre os objetivos do desenvolvimento sustentável e ensinar pessoas a fazerem projetos sobre eles”, conclui.

 

Marina Lima

Assessoria de Comunicação – EPTS/UNITAU