Casal do curso de Letras ensina Libras à comunidade surda

No centro da imagem, Nerisvaldo e Priscila marcam presença no Seminário de Comunicação Alternativa

Dois alunos do curso de Letras da EAD UNITAU encontraram nas mãos uma maneira de unir comunidades. O casal, Priscila e Nerisvaldo Araújo, é responsável pelo projeto Mãos que falam e sentem, que ensina Libras e leva educação aos surdos.

O início

Há 25 anos, a ideia do projeto surgiu. “Dentro do contexto educacional, observamos que os surdos ainda enfrentam muitas barreiras. Falta conhecimento do que é o sujeito surdo”, conta Priscila. A partir dessa percepção, os dois entraram em contato com a Superintendência Regional de Ensino. O intuito era conscientizar a comunidade sobre os surdos, sua identidade, sua cultura e a importância de sua inclusão no contexto escolar.

O projeto

O trabalho é voluntário e voltado à comunidade surda da região de Unaí, norte de Minas Gerais. “Fazemos o senso dos surdos e depois visitamos cada um, levando uma mensagem bíblica de conforto para eles e seus familiares e ensinando Libras, visto que a maioria dos surdos é analfabeto em seu próprio idioma”, explica a cofundadora do projeto.

Durante todos esses anos, o casal superou desafios e alcançou muitos objetivos. “Quando chegamos na cidade, muitos surdos não iam à escola, nem eram matriculados e não tinham o profissional Intérprete de Libras”, relembra Priscila. Hoje, o cenário já é bem diferente. “A maioria está matriculada e tem contato com a comunidade surda por causa dos encontros que o projeto proporcionou”, orgulha-se.

O impacto do casal na comunidade surda é recíproco. “Enriquecemos e aprendemos muito com essas pessoas”, exalta. “Passamos a dar mais valor às coisas simples e percebemos que o amor e um sorriso superam qualquer barreira linguística”.

Metas

Nos últimos 6 anos, Priscila e Nerisvaldo têm atuado profissionalmente como Tradutores e Intérpretes de Libras (TILS), mas as ambições com o projeto continuam. “Queremos estender o projeto nas cidades vizinhas e agir como agentes multiplicadores”, compartilha. O sonho do casal é ver os direitos dos surdos reconhecidos, que tenham maior acessibilidade e oportunidades de trabalho.

Letras na EAD UNITAU

A modalidade EAD foi a solução encontrada pelo casal para estudar e, ao mesmo tempo, continuar as viagens com o projeto. O ritmo de estudo foi ideal para o estilo de vida dos dois.

Formados, eles são gratos pela experiência. “A UNITAU sempre foi muito acolhedora, com conteúdo didático e bem elaborado, com professores excelentes e sempre prontos para nos ouvir e impulsionar nossos projetos”, conclui.

 

Marina Lima

Assessoria de Comunicação – EPTS/UNITAU